domingo, 28 de julho de 2013

Manutenção CORRETIVA EVOLUÇÃO SINTOMA > DEFEITO > FALHA





 
CONSULTOR DE ENGENHARIA INDUSTRIAL IN COMPANY
[Nivelamento de Informação ]


Srs,
Faço o nivelamento da síntese de conceitos de manutenção resposta a treinando, hoje formado engenheiro, trabalhando em empresa renomada que foi meu aluno da Disciplina de
Manutenção Industrial no CEFET / IFCE e que me questionou o esclarecimento dos termos sintoma X defeito e falha.

Comento:
Meus amigos, colegas profissionais de manutenção, meus dedicados alunos, treinandos de meus CURSOS IN COMPANY e quem lida com manutenção nessa oportunidade respondo e comento em síntese os cuidados básicos que norteiam a se obter metas com bons resultados como gestor de manutenção apartir do entendimento dos conceitos dos termos usados manutenção abaixo.

Sintoma X Defeito X Falha:
Informo que o defeito pode ser diferenciado de falha agora que eles não acontecem por acaso antes de acontecerem mandam um aviso e nós que lidamos com o oficio de manutenção fiquemos sensíveis a seus sinais que são situações de ocorrências que exigem a intervenção de manutenção.

1. Sintoma:
Como tenho esclarecido assim como nosso corpo reagi num estado febril sinal que não vamos bem de saúde as maquinas também de forma semelhante use seus [5] sentidos que Deus lhe deu para sentir a maquina Visão [Olhe a maquina com atenção veja se não mudou alguma coisa nela], Audição [Bote os ouvidos na maquina tem algum ruído que destoa da sonoridade de seu funcionamento], Olfato [Senti algum cheiro estranho], Tato [Pelo toque sinta se algo estranho está mais quente do que o usual, ou vibra mais ou agora está vibrando o que não acontecia antes] e por fim o Paladar [Há situações que o sabor ou uma variável química relacionado ao produto que processa essa maquina possa está diferente].

2. Defeito:
Na minha conceituação vamos entender que seja aquela ocorrência de manutenção que não para maquina mas já fomos avisados de sintoma que aponta necessidade de correções. É nessa hora que tem-se que tomar iniciativa e corrigir a anomalia detectada pelo sintoma e se não o fizer esse defeito pode evoluir para uma falha e para a maquina. Sugiro usar o manutenção corretiva planejada prepare tudo gente e o recursos para correção e haja logo seja proativo.

3. Falha:
Na minha conceituação é a quebra da maquina seja ela parou de funcionar e quase 100% porque não foi tratado o defeito a tempo e agora vem os prejuízos que além da perda de produção maior que tivesse corrigido planejado, normalmente os danos de uma falha são imprevisíveis podendo até perder toda a maquina.[É uma situação extremamente indesejável fuja dela didaticamente falando como o cão foge da reza basta que eu diga isso e mais vai em situações que mais se precisa da maquina]. Nessa ocorrência é aplicada a manutenção corretiva reativa.

Retrabalho:
É esse um dos maiores problemas da manutenção o que implica que no tratamento de correção do defeito ou falha não incidiu encima da causa raiz do que realmente provocou o defeito ou falha por isso o mesmo problema tornou a se repetir e esse comportamento chamamos "ciclo vicioso de falha".

Lembro:
O ciclo vicioso de falha mina a credibilidade da manutenção e a melhor forma de evitar que se chegue uma situação dessas é trabalhar bem os sintomas do defeito identificando todas causas possíveis e dentre elas identificar a causa raiz e corrigir como segurança que esse problema não volte a acontecer.Ainda reforço que a solução bem dada e de acreditação por todos tem fundamentação tecnológica e atende com certeza a princípios da ciência e não vale fazer porque eu quero assim, alguém corrigia assim o que dar a garantia é a sustentação técnica por isso o homem que lida com manutenção seja imperativo que esteja capacitado tecnicamente para o exercício pleno de seu cargo.                                                                                                             

Nota:
Existe ferramentas de qualidade que tratam se bem usadas com eficiência e eficácia esse problema no que sugiro a FTA, FMEA, Diagramas de Pareto e Ishikawa.
 


Postar um comentário